O papel de uma entidade

Caros amigos,

Todos nós, radioamadores, sabemos que nos Estados Unidos a maior associação de radioamadorismo é a ARRL American Radio Relay League e é equivalente à nossa LABRE.
Essa entidade tem parceria estreita com a FCC – Federal Communications Commission que é o órgão regulador do serviço por lá, equivalente à nossa ANATEL.
Alguns dos exemplos dessa parceria:
Os radioamadores filiados à ARRL podem ser instrutores e aplicar provas para ingresso no radioamadorismo.
Os radioamadores filiados à ARRL podem se candidatar a ser VM – Volunteer Monitor ou Monitor Voluntário, cujo papel fundamental é fiscalizar as bandas registrando e denunciando à FCC as irregularidades diversas como uso de potências acima do permitido, uso de frequências fora do permitido para a categoria do radioamador, etc, ou seja, toda e qualquer irregularidade observada nas faixas destinadas ao radioamadorismo.

Vocês podem argumentar que um VM é um dedo duro que denuncia os próprios colegas. Mas aí é que está o engano. Quando alguém desrespeita os regulamentos e infringe normas técnicas, prejudica de forma contundente todo o serviço. Podem causar interferências em outros serviços, podem usar as comunicações para o crime, e por aí afora. Logo, ao fiscalizarem e denunciarem tais práticas, os VM estão preservando o radioamadorismo.
E, pensando bem, quem pratica irregularidades jamais poderá ser chamado de “colega“, pois não pensa na coletividade e sim apenas em si. Afinal, um dos princípios do radioamadorismo no mundo é pensar na coletividade.

Dito isto, vamos olhar para a situação do Brasil.
Não vamos nem citar a quantidade de uso indevido das faixas de radioamador, operação clandestina, com claras interferências inclusive em repetidoras.

Aqui, temos a LABRE que é a nossa entidade representativa junto à ANATEL. Apesar das dezenas de críticas (a maioria infundadas) e da grande evasão de associados, a LABRE cumpre o seu papel defendendo os interesses de TODOS os radioamadores, associados ou não. A LABRE defende a aplicação dos tratados internacionais para uso do espectro de radiofrequência cujos segmentos são sempre cobiçados pelas empresas de telecomunicação e radiodifusão.
A LABRE (através da Central) age junto à ANATEL, opinando na criação dos regulamentos do serviço.
A LABRE sugeriu e foi atendida para a realização de todos os procedimentos de forma on-line, inclusive a aplicação das provas de ingresso e promoção de classe, visando obedecer ao distanciamento social imposto pela pandemia de COVID-19.
A LABRE, em tempos pré-pandêmicos, organizava as famosas caravanas para que a ANATEL aplicasse as provas em cidades do interior.

Mas, ainda falta muito a se fazer. Gostaríamos de ter autonomia para nós mesmos aplicarmos as provas, como acontece com os colegas da ARRL, por exemplo.
Gostaríamos de ser um canal mais eficiente no encaminhamento de documentação dos radioamadores para a ANATEL, incluindo aí as homologações de equipamentos.

A LABRE tem tratado disso junto a ANATEL. Ainda não conseguimos, mas as portas estão abertas para parcerias junto ao órgão regulador.
E precisamos crescer como entidade. Precisamos ter muito mais associados, pois só com a união teremos a força necessária para sugerirmos mais e mais atividades de parceria.

Para isso, contamos com a sua valiosíssima participação.
Se você é associado, mantenha sua mensalidade em dia.
Se você não é associado, venho conhecer a nossa sede, o nosso trabalho e se junte a nós para que possamos ter maior representatividade junto à ANATEL.

Contamos com você


Deixe um comentário